16.6.14

Eu escolho o som do céu

No princípio era a música. É desse jeito que Tolkien começa o Silmarillion e faz um maravilhoso paralelo com a criação do mundo onde tudo vai surgindo a partir da música que sai da cabeça de Eru (Deus, no caso). E todos tem apenas partes da música e executam o que lhes cabe e só Eru conhece a música completa. Adoro isso. Deus também é assim; dEle parte a música, a poesia cantada. D'Ele nós também partimos e como sabiamente declarou Paulo: e nos movemos, e vivemos e existimos. Tenho a sensação de que a boa música acontece o mesmo fenômeno, ela se move e existe em Deus, que entende a nossa alma e sabe quais notas vão tocar nosso coração.
 Penso que há criatividade, leveza e mil delicadezas que o céu nos presenteia todos os dias. E para minha sorte tenho encontrado alguns exemplos de toda a graça e poesia que o céu pode proporcionar.
Num mundo onde as pessoas cantam o que não vivem, é bom encontrar focos de resistência onde alguns vão tendo experiências com Deus e tornando isso melodia. Isso faz falta. Isso é lindo. As pessoas de quem vou falar fazem um trabalho autoral, independente e é notório que só cantam o que experienciam com Deus, isso é refrescante na caminhada cristã. Ver que se alguns sofrem eles fazem poesia. E se riem fazem poesia. E se tem um contato mais íntimo com Deus fazem poesia.

Eu sou mundialmente famosa por ser underground, não gosto do que todo mundo gosta, tenho um jeito muito peculiar de ver tudo. E claro isso se refere também a música. Há muita produção no meio cristão, mas poucas me agradam e quando eu encontro uma coisa que me satisfaz ahhhhh eu abuso todo mundo com o excesso disso. É um terror conviver comigo.
Nos últimos tempos conheci uma dupla e três bandas que são poesia pura, leve e perfeita e tenho tentado começar os dias debaixo dos acordes deles e sou abençoada, tranquilizada, energizada por esse jeito tão singular de fazer canção, e hoje vim aqui apresentar esses pedacinhos do céu pra vocês porque quero que todo mundo saiba o quanto esse povo não só produz música de qualidade técnica como também fazem um contato direto entre uma alma e outra. E a sensação é de a gente consegue perceber vislumbres da música no total, a que só existe na cabeça de Eru.
Só um aviso aos navegantes, neste post não vou falar da vida dos integrantes das bandas e coisas desse tipo, o tema aqui é: como eles tem sido usados por Deus pra abençoar a minha vida.

Rend Collective Experience

@rendcollective



Esse coletivo irlandês em poucos dias conquistou meu coração. Membros de uma igreja pequena no norte da Irlanda esses rapazes e essa moça envolvidos em processo de profunda comunhão com Deus e com sua comunidade acabaram tendo em mãos e em vozes canções diferentes que falavam da vida cristã com suas trajetórias na busca para entender a fé, Deus e Sua vontade em nossa relação à comunidade, nascendo assim o Rend Collective Experience (para nossa alegria!).
A primeira palavra que me vem à mente quando penso em Rend é imaginação. O Coletivo não tem o menor receio de brincar, de suas instrumentos inusitados e de fazer um indie-folk (meu ritmo!!) cheio de delicadezas. Segundo eles a proposta do coletivo é "forçar os limites, porque o nosso Deus não é cômodo ou pequeno: Ele tem uma imaginação fértil." E a imaginação fértil de Deus se reflete no trabalho maravilhoso, audacioso e inusitado desses irlandeses. As canções são uma oração sincera e simples de gente que espera ser cristã a partir das noções de graça e misericórdia. A produção de cada álbum merece um filme. Um dos álbuns, o Campifire foi gravado com um grupo de pessoas em torno de uma fogueira na praia. A ideia do coletivo é afirmar que as pessoas e suas histórias são mais importantes que qualquer coisa no mundo. Tudo é autoral e tem um forte senso poético. Até o título dos álbuns reflete o jeito collective de ser.
 Eles se comportam como uma família,  meio barulhenta, colorida e muito acolhedora. Eles afirmam que vieram ao mundo fazer uma celebração do amor de Deus. E é isso que fazem. Celebram. E a gente sente junto a alegria de cada acorde. O fato de usarem banjo e outras peculiaridades só aumenta o fascínio.
As minhas canções favoritas do Rend são: Build Your Kingdom Here, My Lighthouse e You Bled.


Terno e Saia

@ternoesaia


A brasileiríssima Ternoesaia virou xodó desde a primeira vez que ouvi a canção Amanhã. Com um jeito doce, uma leveza no cantar, um cuidado com relação à estética musical e visual do grupo e com letras que revelam miudezas do nosso relacionamento com Deus esse grupo é impar no meio do excessos que se fazem nesse país. Com letras inspiradas na Bíblia, Ternoesaia valoriza a pureza e a simplicidade do cristianismo através de músicas contemporâneas e reinterpretações de artistas que marcaram a história da Igreja no Brasil. O grupo é minimalista. Enraizados em Campo Mourão esse rapazes e essa moça cantam e encantam sem muito esforço enquanto falam de céu, da bondade de Deus e de mil e duas delicadezas. A voz dessa moça é um carinho nos tímpanos. Dá uma vontade de flutuar sempre.
Minhas canções favoritas de Ternoesaia são: Amanhã, Torta,e  Lâmpada.


Os Arrais

@OsArrais


Tiago e André Arrais são o amor mais antigo dessa minha boa temporada musical. Nos conhecemos há um ano e esse dois irmãos conquistaram meus ouvidos para sempre. Músicas que como o próprio Thiago sempre diz revelam suas experiências com Deus e com a Palavra. Os Arrais honram o título de maestria que sempre ronda os cantores adventistas. Há uma excelência nas canções desses moços. Tiago e André fazem um folk e já sofreram algumas críticas de que suas músicas eram sonolentas e os dois claro não fizeram caso disso. Porque o que eles dizem através das notas musicais é mais profundo. Toca na nossa intimidade e relação pessoal com Deus. Ele falam de vivências e os fracassos e aprendizagens inerentes. Eles me cantam. Simples assim. Os moços inovaram além de muita poesia suas canções são marcados pelo uso exclusivo do violão e da percussão
E como se isso não bastasse, Tiago e André defendem veementemente que a música não é o fim em si mesma, ela é meio para propagação do evangelho do Reino. Penso que é um jeito muito bonito de evangelizar. Alegra o Rei saber o que seu Reino tem sido anunciado em forma de poesia.
Minhas canções de Tiago e André favoritas são: Rojões, Akedah e Mais.


Crombie

@BandaCrombie


Já defiram Crombie como parte do underground evangélico brasileiro. Sinceramente não sei se é. Não sou muito atenta a rótulos. Sei que a Jennifer me apresentou Crombie via twitter, e a banda dos moços de Niterói falava de vida cristã de um jeito tão autoral e poético que me senti próxima deles. É como se eles tivessem participado de uma de minhas conversas com amigos íntimos. Assim como quem não quer nada e correndo por fora eles chegam e dizem e se vão. E é maravilhoso. Eles se propõe a levar uma percepção diferente do que está posto: as letras nos convidam a simplicidade, é um "senta aqui e vamos conversar", é um constante chamar atenção para as coisas sem tanta significância e mostrar que Deus está ali se revelando. Isso sem falar na sonoridade que é uma invenção de brasis e ritmos tão nossos. É poesia.
Minhas canções de Crombie favoritas: Guidom, Eternidade e Convívio.

Enfim, eis a minha listinha.
Fico feliz de encontrar buniteza e delicadeza nesse mundo. Porque como diria um poeta ali, "a poesia prevalece" ou como oraria outro poeta "Deus temos que aprender o que é o amor a cada dia, não deixar morrer em nós a Tua poesia".

E você o que anda ouvindo?

2 !:

Jennifer Dias disse...

Eu acrescentaria o trabalho do cantor Gerson Borges. Ele recentemente lançou um trabalho muito bonito sobre a oração. E como estamos falando de poesia, eu gosto muito de uma música dele que se chama "Se eu for poeta".
Acrescentaria também a banda Aeroilis. É uma banda que você não gosta da noite pro dia. Você tem que se aprofundar nas letras também. Uma banda que mostra coisas que parece que só eu noto, haha. Eu me vi várias vezes nas canções. É uma banda que você não escuta só quando está triste, ou só quando está alegre. É uma banda que "não tem momento", sabe? Quando você gosta, você escuta sempre. Acho isso muito legal. Uma pena que a banda não toque mais. Colaboraram bastante para a música cristã.

Também acrescentaria Salomão do Reggae. As canções dele me inspiram bastante! Minha preferida dele é "Livro da vida", juntamente com "Jesus, o sol e o reggae" e também a canção "Igual a você".

Como eu gosto muito de REGGAE não poderia faltar REOBOTE ZION na lista. O que eles cantam é pura Bíblia! Uma mistura de ALEGRIA com as ESCRITURAS SAGRADAS! Melhor combinação não há!
Sou BEM brasileira, mas confesso que também acrescentaria bandas internacionais.

Cada uma dessas bandas, e cada um desses cantores são, assim como Fruto Sagrado, Palavrantiga, PinGODágua, Rodolfo Abrantes, Silva, MahMundi, Lucas Souza, Brooke Fraser, Resgate, João Alexandre, Jorge Camargo, Megafone, Cícero, Simonami, encantadoras porque mostram que são CARTAS VIVAS sabe? Não há teoria, há apenas comunhão com o Céu! Comunhão esta que é muito clara! E: Espalha. Quando a gente vê, já tá todo mundo ali, com vontade de escrever um poema. Tirar uma foto. Ler um bom livro. Abraçar todo-mundo.

POESIA, POESIA...


POESIA!

Paula Luz disse...

Mimis! Vim desanuviar e de quebra roubarei para mim suas descobertas, eu sou assim. Eu sofro dessa síndrome também, mas de forma mais branda. Talvez precise de terapia, talvez não. rs. Você precisa com certeza! Vou ouvir e ver se eu gosto, você gostar é pré-requisito pra que gostar tbm, afinal tu tem um bom gosto pra música que meeeeeeu Deeeeeus. Enfim. Os Arrais eu já conheço e sofri quando um monte de gente começou a ouvir (preciso de terapia) mas coisa boa tem que ser compartilhada mesmo, né? Mil quilometros de nuvens :*

Ailma Barros,
mais de mil perguntas sem resposta, muito prazer!

 
cata nuvens © Todos os direitos reservados | Ilustração :: Monoco | voltar para o topo