5.12.12

Recife em mim.



Bela, estranha e espantosa cidade do Recife – habitada por banqueiros e pedintes, bêbados e loucos, homens de pastas nas mãos, meninos e prostitutas. O dia corria solto no mundo. Ela se perguntava que tipo de emoção teria ali? Porque cada emoção corresponde a uma pessoa. Cada emoção tem um pulso. Observando tudo, as vezes procurando interpretar, as vezes distraída, longe e solitária, sentia que ser apenas Camila era pouco. Muito pouco. Por demais.


 Minha alma é irmã de deus, p.46, Raimundo CARRERO

Ailma,
árvore plantada junto a ribeiros de água, muito prazer!

 
cata nuvens © Todos os direitos reservados | Ilustração :: Monoco | voltar para o topo