3.5.15

Porque ela é tão importante?

Ou ainda: o amor cria irregularidades.



A minha série de TV favorita é uma ficção científica. Se chama FRINGE e abordava questões que do ponto de vista hipotético são absolutamente possíveis na Física, na Biologia e na Química como telecinese, hibridismo, mundos alternativos e quebra do tempo espaço. Eu sou apaixonada por essa série. Gosto de tudo a respeito dela. Mas principalmente gosto de um episódio em especial, o oitavo da segunda temporada: August.
FRINGE é trabalhada a partir de grandes segredos. Um deles é a existência de seres que podem viajar no tempo e apenas observam os costumes humanos. Eles aparecem em grandes momentos da história tem uma alta tecnologia e aboliram de seus organismos as emoções humanas. São chamados de Observadores e são seres típicos de uma distopia.
Como eu disse eles não interferem no nosso mundo, apenas observam e coletam dados para a sua “invasão” na última temporada. No entanto nesse episódio um dos Observadores sequestra uma moça. E boa parte do tempo a equipe FRINGE e os outros Observadores querem saber porque ele interferiu na vida da moça, porque ele a sequestrou, já que ela é uma pessoa absolutamente comum que não teria importância nenhuma nos rumos futuros do mundo. No meio do episódio descobrimos que a moça iria viajar de avião e a aeronave cai no meio do mar. Daí concluímos que: ele não a sequestrou e sim a livrou da morte. Os demais Observadores resolvem que a moça precisa ser morta já que esse é o destino dela. Ela não é importante, é o que eles dizem. A vida dela precisa ser destruída porque esse era o curso natural da vida.
A moça não tem importância e sua sina é morrer. Mas o August (é o nome do Observador em questão) diz que precisa mantê-la viva. Ele diz que ela é muito importante. Ele tem certeza que ela é muito importante. E em conversa eles percebem que só ele sente isso. Para os outros ela é insignificante, para ele, ela é especial. O engraçado é que todos os Observadores por não terem emoções humanas ficam confusos com a insistência do August. Ele sabe que os outros vão mata-la. E daí ele pede ajuda ao Walter Bishop. O Walter diz ao August que ele precisa tornar a moça em alguém importante. Ele precisa provar a importância dela para os outros.
O resultado: o August permite que o assassino que ia matar a moça mate a ele. Ele assume o lugar dela. Ele morre por ela e num diálogo final ele diz: “Ela é muito importante para mim. Acho que isso é o que eles chamam de sentimento. Acho que eu a amo”. O outro Observador reconhece: “Sim, agora ela é importante. Nada de mal vai acontecer a ela. Por causa dela um de nós morreu. Ela se tornou importante”.
Nessa hora eu morro de chorar. Há há há. E concluo em lágrimas: o amor que o August sentia pela Cristine (é o nome da moça) salvou a vida dela e humanizou a vida dele.
É legal ver distopias porque todas elas concluem o mesmo: o amor nos humaniza. O amor nos salva. Alguém ordinário se torna especial aos olhos daquele que o ama. E olhar concretiza a importância.
A segunda conclusão disso é: essa história do August me lembra o Cristianismo. De igual forma Jesus, movido por amor, morreu para que eu vivesse. O que era ordinário e sem importância. O que estava destinado a morte, na cruz  recebeu uma nova chance de vida e se tornou importante.

Durante 40 minutos de episódio a pergunta que todos fazem é: Porque essa moça é importante? O que tem de especial nela? E nos últimos 10 segundos descobrimos que ela é importante porque é amada por alguém disposto a morrer para que ela viva. Isso me traz uma lição fundamental: se eu acredito que Jesus morreu por amor para dar vida a mim e a outros, porque insisto em esquecer a importância disso e trato as pessoas de maneira tão negligente? Se eu vivesse lembrando disso a minha atitude natural seria olhar o outro (não importa quem ele seja) como alguém importante, não por si mesmo ou por méritos próprios, meu olhar devia ser de olhar o outro e admitir sua importância por que ele é amado a ponto de Alguém morrer para que ele viva. Não posso esquecer que o Amor humaniza e torna importante coisas ordinárias. O amor singulariza. E frequentemente o amor não faz sentido. Ele desconcerta mesmo.

3 !:

Eloá Vinhal disse...

Adorei seu blog!!!
Me faça uma visita.
http://eloavinhal.blogspot.com.br/

Um sorriso entusiasmado ;)

Mia Sodré disse...

Comecei a ler o post, mas parei quando me dei conta de que SPOILERS, hahahaha Essa é uma série que ainda pretendo assistir e não quero estragar a experiência lendo qualquer coisa que possa me fazer perceber que OPA, JÁ SEI O QUE ACONTECERÁ. :p

Beijo ;*

Bruno Pessoa disse...

"Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que fez tua rosa tão importante... te tornas eternamente responsável por aquele que cativas " saint exupery

Ailma,
árvore plantada junto a ribeiros de água, muito prazer!

 
cata nuvens © Todos os direitos reservados | Ilustração :: Monoco | voltar para o topo