17.11.13

tempo


E há dias que é preciso silêncio. 
Na parte descascada da parede, nos bottons da mochila, nos passos a lugar nenhum. Tem dias que a alma cansa dos mesmos gritos, das mesmas falas repetidas, das mesmas dores e medos. E é preciso silêncio. Aquele silêncio reverente encontrado diante do mar no meio da noite. Aquele silêncio das viagens solitárias. Aquele silêncio necessário para ouvir a voz certa. E mudar de rumo ou continuar na mesma trilha com passos firmes.
Há dias que é preciso silêncio e viagem. Fim da monotonia e do desgaste atroz. Olhar outras coisas. Calar diante da beleza absurda das coisas diminutas. Silêncio para ouvir a Voz e sensibilidade para vê-lo nos detalhes da maré, naquelas pequenas folhas que insistem em nascer sem serem convidadas nos lugares mais inesperados. 
E voltar. Mais leve e mais atenta ao menor sinal da presença d"Ele e sentir que é tempo de contemplar e registrar o que se vê.

2 !:

Rick disse...

E lindo. Simplesmente lindo. Todo mundo merece seu momento simples, cheio de silêncios, onde só o fato de estar na sua própria companhia basta.

Muito lindo esse texto moça.
Boa noite. Bjos

Luci Alves disse...

Quanta paz numa coisa só!

Ailma,
árvore plantada junto a ribeiros de água, muito prazer!

 
cata nuvens © Todos os direitos reservados | Ilustração :: Monoco | voltar para o topo