26.11.13

nas margens de mim


Cá estou. Há essa imensidão azul. Há uma paz louca aqui dentro. Eu queria mergulhar mas não sei como. Não sei nadar. Esse sal só me chega aos pés. Apenas. Somente.
Sinto falta de mais. Todavia não me sinto digna ou corajosa o suficiente para me jogar em você e deixar que esse sal me irrite os olhos. Eu sei que apenas o mergulho total me fará entender melhor: o movimento, os segredos do fundo, a vida em alto mar.
Sei que é disso que preciso: ficar tão dentro de você a ponto de não ver a costa, olhar para todos os lados e ter apenas água e sal.
Não avanço ao teu encontro  por medo. Sei que a costa não tem nada para mim, mas volta e meia olho pra trás porque conheço a costa e mesmo que meu coração anseie pelo mar tenho receio do resultado. Por isso não avanço, as águas só me chegam ao tornozelo. Sou purificada só até aí. Limpa em parte. Preciso me deixar levar pelas ondas.
Me atrai mar adentro. Não me deixa mais olhar a costa. Faz subir a maré. Me afoga de Ti. Me torna absolutamente dependente. Que o teu sal me cubra por completo. Que as tuas águas me tornem outra.
Cansei de ficar na margem, me leva ao alto mar. Ao centro da Tua presença.

3 !:

Mª Fernanda Probst disse...

Clichê de comentário: Lindo.
Leve, suave, tocante.

Que inunde.

,,
*

Forever Dieguita disse...

Seu blog trás uma paz! Lindo demais, parabéns!

Nina disse...

É disso que precisamos: de um mergulho naquilo que nos faz bem - e nas pessoas que nos fazem melhor.
Abraços.

Ailma,
árvore plantada junto a ribeiros de água, muito prazer!

 
cata nuvens © Todos os direitos reservados | Ilustração :: Monoco | voltar para o topo