20.1.15

embarque.


você esperou tanto esse momento. roeu mais suas unhas já roídas. pensou pela milésima vez se ele não sairia correndo quando olhasse seu rosto. e depois lembrou que pra ele você é só uma amiga então pouco importa tua aparência. daí você relembra do último telefonema. "Tchautchau" ele disse. parecia uma palavra nova, exclusiva dele. no telefone ele tinha uma voz de sono que acariciava.
e você esperava. olhava para fila de pessoas que faziam chek in pra o voo de miami. e ele não aparecia. a pessoa do seu lado falava de botas mas você não prestava atenção. a expectativa criava um buraco negro muito frio na sua barriga. você tinha certeza de que o beijo de um dementador era assim. será se sua roupa estava boa? você não queria ser você mesma, sempre desleixada. por mais que desprezasse você intimamente reconhecia derrotada que os homens se importam com a aparência. vai ver por isso você era mais uma vez e sempre a amiga, a amiga engraçada, funny girl como cantava barbra divamente. isso te fazia pensar na outra música desse filme. my man. era sua história. como na canção ele nunca saberia o quanto te afeta. secretamente era seu. 
 e ele não chegava.
você lembrou do filme Simplesmente Amor quando diz que os aeroportos eram lugares de amor, pois nesses reencontramos nossos afetos. você nunca tinha entendido isso até esse momento.
até que ele chegou e disse: cheguei, onde você está?
até encontrá-lo e constatar o quanto é lindo com seu óculos de grau e sua jaqueta preta.
até ele te abraçar e você querer morar pra sempre naquele abraço e morrer naquele abraço.
abraços deviam durar horas não segundos.
ele te chamou pra sentar e ficou falando aleatoriedades.
e você só olhava pra ele. a boca um pouco aberta.
a mão tão suada.
o coração era um cavalo numa guerra de alexandre, o grande.
e no meio da fala, ele dizia ironias e piscava o olho pra você.
e você desintegrava e entendia perfeitamente aquela cena onde a Amelie Poulain derretia.
ele veio te vê por ser legal e te considerar amiga. 
esse era o problema: ele era a pessoa mais legal do mundo.
e você sabia.
mas isso não mudava nada.
ele estava ali. por você. por 15 minutos era seu.
por 15 minutos isso bastou.

2 !:

Paula Luz disse...

Li engolindo palavras louca pra ver o fim. Não respeitei vírgulas nem pontos, nem nada. Li devorando cada letrinha. Sou tua fã Catanuvens!

Allen disse...

E quanta vezes a gente já não engoliu um sentimento? Por quantos motivos?
Adorei o texto. Assim como a Paula o devorei rapidinho!
http://umaallien.blogspot.com.br/

Ailma,
árvore plantada junto a ribeiros de água, muito prazer!

 
cata nuvens © Todos os direitos reservados | Ilustração :: Monoco | voltar para o topo