24.1.15

Ah-un

"Quem não vê bem uma palavra, não pode ver bem uma alma..." Mia Couto


Há palavras que só existem em idiomas específicos. Há muita gente por exemplo que se gaba da palavra "saudade" que é exclusiva da língua portuguesa e é linda convenhamos. Mas para nossa alegria não é a única palavra que só existe em um idioma.
Esses dias lendo um livro (Amor em minúscula, veja no Skoob), vi outras palavras específicas e armaria que buniteza! Como este blog formou-se a partir das palavras é justo deixá-lo cada vez mais bonito com novas expressões. Encontrar o nome para alguma coisa é uma maneira de conjurar sua existência. Pensamos e nos comportamos de certa maneira porque temos palavras que a apóiam, Nesse sentido, as palavras moldam os pensamentos. E os comportamentos. Não há angústia maior que não conseguir dar conta da nossa vivência por não achar a palavra certa para explicar ao outro.
O alemão é uma língua que por sua própria estrutura permite a criação de palavras para situações específicas (o que deve dificultar horrores aprender), mas TODAS eu disse todas as línguas faladas no mundo tem suas particularidades. Tem umas que é poesia só.

Do japonês:
Ah-un; a comunicação tácita entre dois amigos.
Mono no aware: a tristeza das coisas
(Adoro esses japoneses com suas sutilezas poéticas).

Do russo:
Razbliuto:  sentimento que se experimenta por alguém a quem se amou no passado, mas não se ama mais.

Do coreano:
Won:  resistência a livrar-se de uma ilusão.

Do árabe:
Baraka:  energia espiritual que pode ser empregada para fins materiais.

Há milhares de outras palavras. Essas se tornaram minhas preferidas, especialmente as japonesas. O fato é que aquela velha sensação de que há sentimentos inominados pode ser falsa, em algum idioma há uma palavra específica para aquilo que sentimos e isso é lindo. Mostra o poder da palavra: de circunscrever nossa existência, dar sentido e tudo mais. Se eu ficar falando sobre isso vou acabar em Saussare e Lacan e depois nem eu entenderei o que queria dizer. Esse post não tem uma finalidade acadêmica e sim sentimental. É muito bom saber que o inominável não existe, que podemos dar nome a nossa existência e depois entendê-la. Ou não. Só espero que o Au-wun exista entre meus amigos e eu.

2 !:

Ricardo Monteiro disse...

Palavras estranhas mais com significados bonitos. Algumas dariam até umas tattoos legais se feitas com letras diferentes.

Bom dia!
Abraços

Allen disse...

Ai que amorzinho ♥ E sim, nada de Saussure num post tão poético.
Eu adoro como a gente, independente de nacionalidade, gosta de dar nomes às coisas. Será que eles acham a palavra "saudade" bonita também?
http://umaallien.blogspot.com.br/

Ailma,
árvore plantada junto a ribeiros de água, muito prazer!

 
cata nuvens © Todos os direitos reservados | Ilustração :: Monoco | voltar para o topo